Pesquisar no site

Publicado em dezembro de 2017

O câncer de mama não tem uma causa única. Diversos fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença, tais como: idade, fatores associados a história da saúde da paciente, comportamentais e genéticos/hereditários.

É importante saber que 65-80% das mulheres com a doença não apresentam fatores de risco conhecidos. Assim, todas devem procurar atendimento de saúde para avaliação e rastreamento de rotina.

Diagnóstico e detecção precoce

A avaliação das mamas é feita por meio do autoexame, do exame clínico por um profissional da saúde e por rastreamento com mamografia. Para as pacientes com 40 anos ou mais, recomenda-se passar em consulta médica para avaliação e decisão do início dos exames de rastreamento de câncer de mama.

Como realizar o autoexame?

A postura atenta das mulheres em relação à saúde das mamas, que significa conhecer o que é normal em seu corpo e quais as alterações consideradas suspeitas de câncer de mama, é fundamental para a detecção precoce dessa doença.

Confira abaixo o passo-a-passo do autoexame:

 

Exames de rotina
Mulheres de 40 a 49 anos: Exame Clínico Anual, se alterado, fazer mamografia
Mulheres de 50 a 69 anos: Exame Clínico Anual e mamografia a cada 2 anos
Mulheres de 35 anos ou mais com risco elevado: Exame Clínico Anual e mamografia anual

Publicado em novembro de 2017

Fatores de risco

Transtornos mentais: transtornos do humor (ex.: depressão); transtornos mentais e de comportamento decorrentes do uso de substâncias psicoativas (ex.: alcoolismo); transtornos de personalidade (principalmente borderline, narcisista e antissocial); esquizofrenia; transtornos de ansiedade; comorbidade potencializa riscos (ex.: alcoolismo + depressão)

Sociodemográficos: sexo masculino; faixas etárias entre 15 e 35 anos e acima de 75 anos; estratos econômicos extremos; residentes em áreas urbanas; desempregados (principalmente perda recente do emprego); aposentados; isolamento social; solteiros ou separados; migrantes.

Psicológicos: perdas recentes; perdas dos pais na infância; Convívio familiar conturbado; datas importantes; reações de aniversário; personalidade com traços significativos de impulsividade, agressividade, humor instável;

Condições clínicas: doenças orgânicas incapacitantes; dor crônica; lesões desfigurantes; epilepsia; trauma medular; neoplasias malignas; Aids.

Atenção!!! Os principais fatores de risco para o suicídio são: histórico de tentativas de suicídio e transtorno mental.

 

Frases de alerta

Eu preferia estar morto

Eu não posso fazer mais nada

Eu não aguento mais

Eu sou um perdedor e um peso para os outros

Os outros vão ser mais felizes sem mim

 

Sentimentos a observar

Depressão

Desesperança

Desamparo

Desespero

 

Mitos

Se eu falar sobre suicídio, poderei influenciar as pessoas

Ele está ameaçando suicídio apenas para aparecer

Quem quer se matar, se mata mesmo, não avisa

 

Como ajudar?

Uma abordagem calma, aberta, de aceitação e de não julgamento é fundamental para facilitar a comunicação.

Ouça com cordialidade.

Entender os sentimentos da pessoa (empatia).

Ter respeito pelo sofrimento.

Expressar respeito pelas opiniões e pelos valores da pessoa.

Mostrar preocupação e afeto.

O suicídio é um ato de covardia (ou de coragem)

 

Publicado em novembro de 2017

A Promoção À Saúde do Sepaco Autogestão promoveu, no dia 06 de outubro, um evento especial com cuidadores e pacientes do Núcleo de Apoio ao Idoso (NAI) com diversas atividades em comemoração ao Dia do Idoso.

A ação foi realizada no auditório do Hospital Sepaco e contou com diversas atividades como reiki, auriculoterapia, massagem, café especial e muito mais!

Confira algumas fotos do evento:

 

Publicado em novembro de 2017

O Sepaco Autogestão realizou, em 04 de novembro, o 1º Debate da troca de informações na Saúde Complementar com o objetivo de difundir informações sobre a aplicação das melhores práticas no arquivo XML.

 

A atividade foi ministrada pela Supervisora de Contas Médicas do Sepaco Autogestão, Elaine Lucena, e pelo Analista de Regulação em Saúde Suplementar do Sepaco Autogestão, Fred Isse.

 

Elaine falou sobre a qualidade da informação, sobre os erros mais comuns encontrados no arquivo XML, os impactos que eles trazem para a operação e as ações que o Sepaco Autogestão promove para melhoria da informação.

 

Isse abordou o tema “O que seu XML revela?” com os conceitos históricos do TISS, o momento atual do sistema e comentou sobre cenários futuros, além de sugerir melhorias.

 

O evento atraiu dezenas de profissionais envolvidos na área de Saúde Complementar de diversas operadoras convidadas.

 

Confira abaixo algumas fotos do evento:

Publicado em novembro de 2017

Dando sequência ao seu plano de ampliação de leitos, o Hospital Sepaco inaugurou nova ala no 1º andar com mais 10 apartamentos.

Segundo Rafael Parri, Superintendente Geral do Sepaco, precisamos atender a crescente demanda das operadoras e dos associados da indústria papeleira, com serviços de qualidade e atendimento diferenciado para garantir aos pacientes conforto e segurança.

Com esta ampliação, o Sepaco passa a contar com 242 leitos, sendo 82 de UTI (40 para adultos, 25 neonatais e 17 pediátricos).

Novos equipamentos
O Sepaco também está investindo no aprimoramento dos exames diagnósticos com novos equipamentos para trazer mais conforto e agilidade. Foram instalados:

TOMÓGRAFO Siemens Somatom Perspective 128 CANAIS, permitindo exames cardiológicos como angiotomografias arteriais, venosas, coronárias e abdome total. O equipamento possui diâmetro maior e mais agilidade para a realização de procedimentos;

RAIO X Konica Minolta totalmente DIGITAL, proporcionando redução da dosagem de radiação recebida pelo paciente, alta qualidade de imagem, aumento da confiabilidade clínica, tecnologia sem fio e mais rápidas;

MICROSCÓPIO Carl Zeiss modelo OPMI Pentero 800, destinado a cirurgias neonatais e pediátricas. Este equipamento tem iluminação de xenônio de dois canais, permitindo melhor visibilidade em canais profundos e cavidades; imagem nítida e cadeia de vídeo integrada, proporcionando a realização de procedimentos cirúrgicos de alta complexidade em estruturas delicadas; e avaliação intra-operatória de permeabilidade dos vasos em procedimentos de anastomose.

Veja imagens dos equipamentos: